Principais Notícias

NOTÍCIAS  

Mais Ferrovia
Energia
Encontro Com Vereadores da Capital
Presidente

Destaques

Presidente do MT Par diz que usinas de energia solar vão zerar conta de luz

Habitações populares, energia solar em todos os órgãos públicos do Estado e lâmpadas de LED nos 141 municípios. São algumas das ações em andamento do MT Par, dirigido por Wener Santos. Ex-prefeito de Nova Marilândia, ele conta que ao assumir o cargo decidiu que era preciso oferecer soluções práticas para melhorar a qualidade dos serviços e, para isso, entendeu que seria o momento de mudar a dinâmica de atuação.

“A avaliação que fizemos é que nós teríamos que focar nos municípios. Sempre fui municipalista, quando vi a oportunidade do MT Par em ajudar, pensei em como ter resultados mais práticos para chegar no cidadão. Não adiantava eu correr atrás de bancos internacionais, um monte de papel e se passar 4 anos e nada acontecer”, explicou ao RD News.

Ao assumir, conta, fez uma varredura nos contratos de habitação e identificou que havia mais de 10 mil casas não concluídas para serem entregues. “Hoje não é mais viável pensar em construir casas populares para doação, assim estamos ajudando em parcerias com os municípios para darmos a infraestrutura de calçadas e drenagem e eles entrarem com a obra”.

Ao todo, prevê a entrega de 20 casas e a regularização fundiária de outras 20 mil. Só em Várzea Grande, já estão sendo concluídos para e entre de 7 mil títulos de imóveis.

Outra meta de gestão, segundo Wener, é implementar cinco usinas solares fotovoltaicas até o final do mandato para zerar as contas de energia de todos os órgãos do Estado. A energia produzida vai para o sistema geral e basta ao órgão público cadastrar seu CNPJ, destinando a produção à sua manutenção. Os empreendimentos estão estimados em R$ 300 milhões que devem ser recuperados em cerca de 6 anos.

Para reduzir o consumo de eletricidade, o MT Par vai adquirir lâmpadas de LED que vão substituir as convencionais usadas na iluminação pública de todos os 141 municípios. As prefeituras vão arcar com os postes e a mão de obra e o Estado vai investir cerca de R$ 100 milhões na compra das lâmpadas que consomem 20% a menos que a convencionais.